Regina Maria Barreto Casé, ou simplesmente Regina Casé, nasceu na cidade do Rio de Janeiro, em 25 de fevereiro de 1954. Entrou no mundo artístico seguindo a carreira do pai e do avô. Fez teatro amador e foi uma das criadoras do Grupo Asdrúbal Trouxe o Trombone, que levou para o palco o comportamento dos jovens de sua geração. Chegou à Rede Globo trabalhando em programas de humor e depois em novelas. Aos poucos, Regina foi conquistando seu espaço como atriz, humorista e apresentadora. Com "TV Pirata", no final da década de 80, ajudou a lançar as sementes para outro tipo de humor. Regina Casé começou sua carreira em 1982 no humorístico "Chico Anysio Show", interpretando a personagem Neide Taubaté. Em 1983 ela fez sua primeira novela, "Guerra dos Sexos", de Silvio de Abreu. No total, ela atuou em cinco novelas da Globo.

Tudo o que Regina Casé não quer é um rótulo. O único que ela aceita é o de camaleoa, herdado de uma personagem de seus tempos de teatro, nos anos 70, e consagrado na música que Caetano Veloso fez para ela. "Por mim, minha casa teria árvore de Natal o ano inteiro. O que eu gosto, e hoje estou me dando o direito, é poder ser muitas coisas. Não preciso escolher", diz a atriz-apresentadora. Depois de uma década sem fazer cinema, ela ressurgiu na telona, no papel de Darlene, uma nordestina casada com três homens, protagonista de "Eu Tu Eles", de Andrucha Waddington. A personagem ajudou a transformar a vida da atriz, que diz ter aprendido com Darlene a "aceitar o que a vida dá".

Regina aceitou, por exemplo, o pedido de casamento de Estevão Ciavatta, 32 anos, diretor de seu programa semanal na TV Globo, o "Muvuca". Casou na igreja, de véu e grinalda aos 45 anos, coisa que literalmente jamais passaria pela cabeça da Regina Casé de 20 anos atrás, quando ela fazia parte da companhia teatral Asdrúbal Trouxe o Trombone e vivia uma época em que "era quase impossível não namorar um monte de gente". Um monte de gente, aliás, é o "tema" do livro de fotos "Já". São centenas de fotos tiradas pela câmera Polaroid de Regina ao longo dos últimos 15 anos. Quem aparece são os amigos, os amores, a filha e sobretudo a própria Regina, razão pela qual ela foi alvo de críticas, que consideraram o livro uma autêntica egotrip. Para ela, não é: "Outras pessoas já fizeram livros assim. Por que não eu?".

Regina dividiu a criação do "Programa Legal", que estreou em abril de 1991, com Luís Fernando Guimarães, antigo companheiro do Asdrúbal. Nesse programa, misturadas a cenas de ficção, com muito humor, apareceram as primeiras entrevistas com os brasileiros comuns. Mas a idéia para o programa "Brasil Legal" surgiria apenas com o quadro "Na Geral", de 5 minutos, que apresentava no Fantástico, e no qual ousou colocar em destaque personagens fora dos padrões globais. Estava pronto o caminho para o "Brasil Legal", onde ela apresenta sozinha os personagens reais e inusitados que encontra pelo país afora. As primeiras influências sobre sua linguagem comunicadora vieram de seu pai, Geraldo Casé, que foi diretor geral e idealizador do Sítio do Picapau Amarelo, da Globo, marco na história da TV brasileira. Em 2007, Regina Casé voltou ao programa "Fantástico", com "Central da Periferia", depois de viajar pelas maiores periferias do mundo!

31/12/2010 - Regina Casé volta à TV em janeiro no 'Esquenta'
Sempre à vontade em meio à correria das ruas e em contato com o povo, Regina Casé transmite como poucos uma imagem de simplicidade e despojamento. Essa coloquialidade tornou-se uma das características marcantes do trabalho da atriz, comediante e apresentadora carioca ao longo de 28 anos de tevê. Mas, a partir do dia 2 de janeiro, ela será vista de uma maneira um pouco diferente. Trocando o calor das ruas pelos estúdios do Projac, Regina estreia à frente do programa de auditório Esquenta!, que passa a ocupar as tardes de domingo da Globo até março, durante as férias do humorístico Os Caras de Pau. Apesar de trazer temáticas populares, a produção representa uma linguagem nova para a apresentadora, pela primeira vez no comando de um programa de auditório. "Minha equipe é boa para ir a favelas, lugares remotos, e eu sou totalmente da rua. Estamos ralando para levar essa força para os estúdios. No início eu ficava meio tímida, mas já estou pegando o jeito", garante a agitada Regina, que também aparecerá com uma mudança no visual, 13 kg mais magra.

Com direção de núcleo de Guel Arraes, o programa traz muito samba e pagode em um cenário de tons quentes, onde Regina vai conversar de forma descontraída com vários convidados, entre famosos e desconhecidos. Para manter o ritmo de carnaval, a produção conta com dois artistas fixos responsáveis por animar a festa: os músicos Arlindo Cruz e Leandro Sapucahy. "Nessa época do ano, todo mundo está pensando em carnaval, farra. O programa vai trazer um pouco dessa alegria", resume. Fã incondicional de samba, a apresentadora destaca que o gênero foi fundamental para ajudá-la a superar uma fase difícil por que estava passando. E, por isso, resolveu torná-lo um dos principais ingredientes do programa. "Vinha de um período muito triste da minha vida. Foram dois anos em uma caverna, tipo Zaratustra. Estou feliz porque saí logo para um programa tão solar. Foi o samba que me trouxe de volta", exalta.

A criação do "Esquenta!" foi de Regina a partir de uma encomenda da direção da Globo, que queria um programa para ser exibido de janeiro a março, aos domingos, no horário de almoço. "Pela primeira vez a gente não idealizou um programa para depois ver onde ele se encaixaria na grade. Recebemos o dia, a hora e a sazonalidade e tínhamos de criar em cima disso", lembra a apresentadora, que garante não estar preocupada com a acirrada disputa pela audiência nos domingos. "Não estamos analisando a concorrência e nem vou ficar me preocupando com isso. O programa é o que a gente gosta e sabe fazer. Quero ser naturalmente popular. Se isso não for, eu devo ser da elite", supõe, aos risos.

O novo programa mistura referências de trabalhos antigos de Regina, como os convidados de origens e costumes diferentes inspirados no "Brasil Legal", os quadros de humor que lembram os da "TV Pirata" e as curiosas histórias do público como na "Central da Periferia", por exemplo. "Todos eles deram certo, mas não continuaram porque estou sempre louca para mostrar outras coisas. É melhor fazer algo bom durante um tempo curto do que meia-bomba o ano inteiro", argumenta.

Apesar da inexperiência no formato de auditório, Regina garante já ter se sentido em casa a partir das gravações do segundo dia de programa. E torce para manter o clima festivo até o fim do verão, em março, quando a produção chega ao fim. "Os convidados são todos meus amigos, que estão sempre nas festas lá em casa. É um ambiente familiar e parece que estamos em um bom caminho. Mas chego na maior humildade, pedindo a bênção para o Chacrinha", diverte-se. "Esquenta!" terá uma hora de duração. As gravações, no entanto, costumam levar cerca de seis horas. Dos 13 episódios que vão ao ar, quatro já foram gravados. A princípio, o nome do programa seria "Regina de Janeiro, Fevereiro e Março", mas a direção da Globo optou por escolher um mais curto.

Estrear à frente de um programa de auditório não é o único motivo de empolgação de Regina Casé para 2011. Ainda no primeiro semestre do ano que vem, ela começa a rodar ao lado do marido, o diretor Estevão Ciavatta, o longa "Saara: São Jorge e o Pássaro Celestial", que se passa no tradicional mercado popular do Centro do Rio de Janeiro. "Estou fechando o ano com chave de ouro, com realizações bem diversas e contemplando vários desejos. Minhas expectativas para o próximo não poderiam ser melhores" torce.

O filme, que conta com Lázaro Ramos e Otávio Augusto no elenco, mostra a convivência entre pessoas de origens diferentes no Saara, especialmente entre um árabe e um judeu que lutam pelo menor preço. A região, frequentada há anos por Regina Casé, é uma espécie de segunda casa para a atriz. "Estamos preparando um material enorme há cinco anos para fazer o filme. É uma crônica desse lugar que eu adoro. Vou ao Saara ao menos uma vez por semana", derrete-se.


Regina Casé
 

1982: Chico Anysio Show .... Neide Taubaté
1983: Guerra dos Sexos.... Carlotinha Bimbatti
1983: Sítio do Pica Pau Amarelo
1984: Plunct, Plact, Zuuum... 2 .... Madrasta de Marinela
1984: Vereda Tropical .... Clotilde Barbosa
1986: Cambalacho .... Tina Pepper
1988: TV Pirata .... Dinalda, Cabocla Jupira
1991: Os Trapalhões
1992: Programa Legal
1993: Roberto Carlos Especial .... Tiete do Rei
1994: Na Geral (Fantástico)
1994: Programa de Auditório
1995: Brasil Legal
1996: Escola Legal (Canal Futura)
1997: Vida ao Vivo Show
1998: Histórias do Brasil Legal (Canal Futura)
1999: Muvuca
2001: As Filhas da Mãe .... Rosalva Rocha
2001: Os Normais, Ler é Normal .... Leonora
2001: Que história é essa? (Canal Futura)
2001: Um Pé de Quê?
2002: Cena Aberta
2002: Cidade dos Homens, Uólace e João Victor
2002: Que história é essa? (Fantástico)
2003: Cidade dos Homens, Tem que ser agora
2003: Fantástico 30 Anos: Humor
2004: Cidade dos Homens, Pais e filhos
2004: São Paulo de Piratininga (Fantástico)
2005: Cidade dos Homens, As aparências enganam
2005: Cidade dos Homens, Em Algum Lugar do Futuro .... Ela mesma
2006: Central da Periferia
2006: Minha Periferia (Fantástico)
2007: Amazônia, de Galvez a Chico Mendes .... Maria Ninfa
2007: Minha Periferia é o Mundo (Fantástico)
2008: Ciranda de Pedra .... Eunice Jardim
2009: Som & Fúria .... Graça
2009: Vem com Tudo (Fantástico)
2010: Papai Noel Existe
2011: Esquenta!

FIM

Teledramaturgia