A

B

C

D

E

F

G

H

I

J

K

L

M

N

O

P

R

S

T

U

V

W

X

Y

Z

Herval Rossano


Um dos mais importantes diretores de sua geração e o que mais teve novelas vendidas para o exterior, Rossano esteve à frente de produções de peso. A mais célebre foi "A Escrava Isaura", que abriu caminho para a popularização de novelas brasileiras em todo o mundo. Rossano dedicou sua carreira principalmente à televisão, participando da direção de novelas de época como "A Escrava Isaura" (em suas duas versões, em 1976 e 2004), "Cabocla" (1979), "A Sucessora" (1978), "Maria, Maria" (1978), "A Moreninha" (1975) e "Dona Beija" (1986).

Rossano, que passou pela TV Globo, Record e Bandeirantes nos últimos anos, estava no SBT. Ele era diretor de teledramaturgia desde o ano passado. Logo em seguida, Silvio Santos o afastou da novela "Cristal", mas manteve seu contrato para que o diretor pudesse cuidar da saúde. Nascido em Campos, norte fluminense, mas vivendo em São Paulo nos últimos anos, Rossano terminou o casamento de 27 anos com a atriz Nívea Maria em 2002. No ano seguinte, foi dispensado da Rede Globo após 30 anos de casa. Desiludido da vida, foi impulsionado pela nova companheira, a atriz Mayara Magri, a aceitar o convite da Record. Acabou figurando em segundo lugar no Ibope com a nova versão de "Escrava Isaura", novela que ele também havia dirigido na Globo em 1976.

Apaixonado por cinema e fã confesso da atriz Marilyn Monroe, Herval Rossano começou a carreira fazendo teatro amador, no Grupo Movimento Artístico Beneficente. O primeiro trabalho no cinema foi em 1955 e a estreia na televisão, em 1967, na extinta TV Tupi. Em 1973, foi para a Globo e viveu, em "Carinhoso", o inesquecível Santiago Morales. Como diretor, Herval ficou conhecido por fazer novelas de época, principalmente no horário das 18 horas. Entre elas, destaca-se "Escrava Isaura", protagonizada pela então novata Lucélia Santos. Apesar dos sucessos na direção de tramas de época, Herval não gostava de ser rotulado desta maneira e costumava lembrar de trabalhos em outros gêneros, como "Dona Xepa" e "A gata comeu". Na Manchete, foi o responsável por um dos maiores sucessos da emissora, "Dona Beija".

Em 1995, assumiu a direção do programa "Você decide", substituindo Roberto Talma, mas só ficou no programa por três anos: foi afastado em 1998, após um desentendimento com o então diretor da Central Globo de Criação, Daniel Filho, que o demitiu. Além do extenso trabalho realizado no Brasil, Herval Rossano também foi responsável por divulgar a cultura do país no exterior. "Escrava Isaura", por exemplo, foi a novela mais exportada da televisão brasileira. Rossano começou sua carreira como diretor, produzindo o musical "Uma Produção Musical de Herval Rossano". No Chile, onde viveu por cinco anos, atuou como diretor no Departamento de Televisão da Universidade Católica de Chile. Retornando ao Rio de Janeiro, foi convidado a atuar na novela "Pigmalião 70". Ainda como ator, participou de "Cuca Legal" e "Fogo Sobre Terra".

Em 1971 foi diretor de programação da TV Tupi. No ano seguinte, foi trabalhar na TV Globo de Belo Horizonte. Em 1973, de volta ao Rio de Janeiro, Rossano era responsável pela programação do canal 12, quando foi convidado para interpretar o papel de um argentino na novela "Carinhoso". Em meados de 2006, em função de seu estado de saúde, Rossano foi destituído da direção da teledramaturgia do SBT, sendo substituído por David Grimberg. Rossano já usava cadeira de rodas e era diretor do núcleo de teledramaturgia da emissora. Seu mais recente trabalho foi a novela "Cristal". Herval Rossano faleceu aos 72 anos, em 9 de maio de 2007.

Veja outra foto de Herval Rossano

BR Busca JS - Busca
Banco de Dados
Para uma resposta mais rápida, utilize aspas na consulta, exceto quando tiver dúvida com relação à grafia do nome
• fechar janela •